28.1.10

Um passo aqui…

The Trophy Shop Boa notícia: fiquei em terceiro lugar no concurso de contos da Ofício Editorial. Não é o primeiro lugar, ok, mas fico feliz de ter meu trabalho reconhecido de alguma maneira, mesmo porque houveram muitos participantes nesse concurso.

Garanti essa posição com o conto “Ao ninho nunca mais voltarás”, que já cheguei a postar por aqui, embora eu tenha feito modificações nele para concorrer. Ficou melhor a versão final, creio.

Um passo aqui, um passo ali, um dia quem sabe, não me vem um Jabuti?

No blog Ofício Literário vocês podem conferir a entrevista que me foi feita pelo staff da editora, bem como o texto na íntegra.

Aqui vocês conferem a versão antiga do conto.

Este foi meu prêmio: o livro Para escrever bem, de Maria Elena e Maria Otília, da Editora Manole. Entendam “para continuar a escrever bem” e não “começar a escrever bem”, hein?

Parabéns ao pessoal da Ofício Editorial pela lisura na condução do concurso!

25.1.10

Assoprando velas, desejando mundos melhores

Um ano mais velho. Neste dia 25 de Janeiro o Zaratustra tem que morrer completa 3 anos de existência. Ele não anda bem, não tem mais o fôlego de outrora, a vitalidade de tempos que parecem tão distantes… mas ele continua vivo. Prometo.

O ano que passou, 2009, não foi lá grandioso para o ZtqM. Poucas postagens. A maioria, contos. Mas vocês, leitores, têm de entender: agora primo pela qualidade. Peguei aversão pelo feio, pelo rápido, pelo numeroso: não ouso mais sentar na frente do computador, escrever e publicar, vítima de uma ansiedade inexplicável. Agora, olho o escrito, detesto-o, reformulo-o, encaro-o, vislumbro-o, reescrevo-o tantas vezes posso. Quando por fim ele fica satisfatório, está tão supimpa que acabo o enviando para algum concurso de contos. Zaratustra tem se sentido rejeitado.

Por outro lado, também tenho trabalhado muito. Nestas férias escolares, a jornada tem sido de oito horas por dia. Não há escrita que sobreviva a isso. As idéias raream. A imaginação desaparece. A criatividade vira fumaça. Meu corpo não quer pensar, não quer escrever. Às vezes, quero somente olhar pelas janelas.

Mas não desanimemos. Nesse aniversário sorumbático do blog, prestemo-nos a refletir sobre que rumo queremos tomar na vida. Esse blog aqui tem decidido muito tranquilamente: de textos vazios e imaturos, passou a apostar em contos que tentam surpreender os leitores (com sucesso ou não) e crônicas que têm por objetivo martelar a cabeça de quem pensa que a vida é pura conformidade. Eu não desisti de fazer o mundo perceber que há sempre o que melhorar, o que notar, pelo que chorar.

ZtqM está amadurecendo, preferindo o silêncio à gritaria, a reflexão ao palanque. Com três anos, ele só quer se prestar a um bom fim.

Mas, quem não quer, não é mesmo?