25.11.08

Rua Piauí, 191, Ed. Centro Comercial

Do vigésimo andar do idoso edifício podia contemplar toda a região norte da cidade, bem como partes das regiões leste e oeste, revelando mais prédios, muitas árvores, obras, casas, veículos, etc. De fato, aquela janela no topo de seu mundo abria vistas para um horizonte, um rumo. Admirando a beleza da cidade, concluiu:

londrina 

- Essa cidade é uma princesinha.

Não o dizia pejorativamente, tampouco esboçava trejeitos de velho bêbado cheio de péssimos adjetivos para se referir às mulheres: não conceituava a cidade como chuchuzinho, belezinha, gostosa ou o que valha. Não. A cidade era uma princesinha, e era assim pelos motivos mais simples e didáticos: era única e bela.

Isso era o de menos e logo sua cabeça voltou aos problemas usuais. Recostou-se à parede abaixo da janela e pensativo ficou, coçando a rala barba que se espetava no queixo.

Olhou em volta e viu a enorme sala: alguns traços de deterioramento, nada grave. O chão de taco riscado, os sofás rasgados, o hack insólito, a mesa de madeira simplória. Faltava algum amor pela coisa coletiva ali. Talvez a falta de uma decoração, um toque daqueles de mãe.

Não ousou percorrer o resto do enorme apartamento, já cansara de descrevê-lo em seus escritos, em seus pensamentos, em seus relatos, em seus sonhos. Observar era cansativo.

Era um daqueles casos em que se deve esquecer o amor.

E a sorte do garoto era que, ao menos, esse amor não envolvia o coração frágil e quebradiço de uma pobre dama, ainda que as mulheres tenham seus corações da carne mais firme e resistente. Não. Tal amor abandonado deveria deixar para trás cimento, cal, madeira, gesso, enfim, tinha prazo para sair daquele apartamento. Improrrogável.

Se ao menos se conquistasse aluguéis com poesias e rosas, pensou. Mas pensou em vão, pois, muito contrariamente, aluguéis (ou alugueres, como ousava insistentemente afirmar o rígido prof. de Direito Civil) são conquistados à base de suor e esgotamento. Fianças, então, exigem sangue e sacrifício, quando muito, um braço ou dois. São as inversões.

Dali poucos dias passaria no depósito de qualquer supermercado, pegaria caixas de papelão das que aparentassem ser mais higienicamente resistentes e, com elas, iniciaria o processo de mudança, pela quinta vez em dois anos.

Iria para uma pequena pérola. Um desses achados, que passam despercebido até mesmo dos astutos corretores de imóveis, gente que o desagradava pelos mais diversos motivos.

Lá, para variar, como sempre, tentaria ser feliz.

8 comentários:

karen disse...

ficou bem bonito, e achei bem tristonho. :~

Laila disse...

Também achei bem tristonho. Interessante a avaliação da cidade como "princesinha". Quando dom Pedro II vei aqui em Valença, ele disse que era a "princesinha da serra", embora hoje não aparente nada disso.

Fê Guimarães disse...

Oi, tudo bem? eu tô aqui p pedir um favor... gostaria muito q vc ajudasse a divulgar o blog http://querumbicho.blogspot.com/ q tem a finalidade de ajudar os bichinhos q estão sem lar em Londrina e região... se puder ajudar agradeço, afinal é por uma causa nobre... vc pode ajudar a salvar uma vida!

Fê Guimarães disse...

Muito obrigada mesmo!!! valeu!!! vou ficar sem net uns tempos, mas assim q der eu comento...vou te adicionar no meu ok?té+

Thatá disse...

ahhhh
q triste!

seu ap era muito gostoso mesmo.... grandao.. com uma vista linda...


mas vai aparecer outro melhor ainda!
=D

e dessa vez tvz eu ate ajude na mudança hahahaha
bjooo

Lucas Godoy disse...

a dona do local aqui vai reformar o apto, por isso vamos ter q sair.. mto bom texto, malditos corretores, aehueahuae.. abraço!

Lígia disse...

bonito o texto mesmo

Stephanie disse...

olá, Vitor!

os desconhecidos são bem vindos lá no blog. Obrigada pelo comentário =) sou meio assombrada pela questão da leveza e do peso do Kundera.

achei curioso esse o título aqui. Tenho uns problemas com certas coisas que Zaratustra disse, mas tem umas que me agradam - fiquei me perguntando quais os seu motivos pra querer que ele morra

gostei do seu texto, da forma como trata a relação entre o sujeito e a cidade e sua casa. e do desfecho, da tentativa de felicidade

beijo