14.6.08

Apelo informal

Olá, blog.

Sei que não tenho dado atenção suficiente a você. Você anda abandonado, desleixado, jogado às traças - se é que traças podem devorá-lo - mas gostaria que soubesse que continuo amando-o, meu único blog.

Estive ausente por motivos banais. Eu não me tornei mais constante na universidade, não me instiguei aos estudos. Não é por motivos acadêmicos que o relego a plano secundário. Tampouco arranjei trabalho desgastante, embora tenha começado um estágio meia-boca, que não me remunera, porém me ensina pequenas coisas aqui e acolá, além de ser boa peça de experiência num currículo. Mas ele também não seria empecilho para eu abandoná-lo, querido blog.

Relacionamentos nunca me afastaram da escrita, fique despreocupado e não se enciume à toa, blog, isso não lhe cai bem. Acredite: o único motivo desse afastamento sou eu. "O problema é comigo".

Não se zangue! Sei que essa frase parece clichê, mas é a total verdade. Que outro motivo haveria para eu agir dessa maneira senão uma inacreditável falta de comprometimento de minha parte? Eu o amo e jamais o veria de maneira negativa, depreciante.

Acontece que aquela paixão inebriante pela escrita passou. "Passou" no sentido de ser carregada por qualquer força maior. Os sonhos, os desejos, a atormentadora vontade de escrever, tudo isso passou. Wasting wind. Virei um deserto, meu caro.

Aquele livro de características inovadoras, de cunho essencialmente contemporâneo, demonstrando símbolos da atualidade, tratando de temas sub-humanos? Não sinto mais empolgação em escrevê-lo. Virou um projeto enterrado. Pior do que qualquer lei decente no Brasil, que não sai do papel, esse meu sonho não saiu sequer da minha cabeça.

Tranqüilize-se, blog, não me tornei indiferente à influência que exerce sobre mim. Meus sonhos ainda ressurgirão, sabe disso. Simplesmente ajude-me.

Não quero desanimar: não me deixe esquecer que um dia eu tive a pretensão de ser lido por meia dúzia de pessoas que achariam meu livro tenebrosamente realista e perturbador. Não me faça esquecer toda a empolgação, todos os elogios e os desejos de força e de que eu seguisse em frente, para atingir um patamar superior...o de alguém que realiza um sonho e regozija-se com isso.

Não me deixe desistir dos sonhos, blog.

Sorria para mim!

4 comentários:

karen disse...

sensacional!
[xuxa]
e não desista dos seus sonhos! :)
[/xuxa]

A Menina dos Olhos de Caleidoscópio disse...

Bem coisa de membro número 24 mesmo.
Não gostei dessa história de deixar o livro ¬¬

Nina Franco disse...

SORRISO!

· dannie · disse...

se estava apelando, agora deve estar agonizando!