26.10.07

Café sem Aroma de Mulher

Os relógios alinhados ao horário de Brasília, no devido horário de verão, 3 horas a menos do que a caduca linha do meridiano de Greenwich, batem 6 horas. Bate junto com eles o sino da catedral ao lado de casa. É a hora que as andorinhas e as pombas voam, assustadas.

Na cozinha, fico ouvindo a hora nostálgica. São dezoito longas badaladas. Na garrafa térmica, o café fumega.

Viro o primeiro gole. Amargo, quente, revigorante. Meu café tem um gosto sóbrio, sério, parece café de alguém que há muito tempo faz café, mas sem notar o café.

Reprovo. Nunca gosto do meu café. Gosto mais do café da minha mãe. O café da minha mãe tem gosto de abraço. É amargo, como todo café, mas já na garganta ele parece um veludo, é um senhor café.

Lembro do café da máquina de café do Centro Acadêmico do meu curso. Um café empiriquitado. Café de máquina chique. Tem uma espuminha que mais parece uma pluma de pavão, tem gosto de uma bela mulher provocante.

O café do restaurante universitário é um café simples. Ele tem gosto de juventude. É feito por pessoas que sabem do que os jovens gostam. Mas é um café que não deixa marcas depois de bebido. Insipiente como todo jovem prepotente e pretensioso.

Mas, apesar desses vários cafés dizerem algo a mim, sinto que o meu café não diz nada a ninguém. Vou colocar mais açúcar. Alguém está servido?

4 comentários:

Fadinha... disse...

nao, obrigada!!!!


café.. ecaaa=P


;***

Tyler Bazz disse...

Um duplo, por favor.

A coisa que eu mais tenho saudade de quando trabalhava é daquelas máquinas da Nescafé que tinha por lá... me servindo 12, 15, 23 cafés por dia, for free!

:~

Monike disse...

1o. Que esse titulo tem nome de novela... e daquelas das 6 ainda ;P

Outra que odeio horário de verão, já odiando café... por mim tanto faz... e se falarem comigo, será apenas pelo cheiro, pq não me atrevo a tomá-los...

Mas, sucesso aí! xD
;*

thays disse...

depois de gostar de café e escrever desse jeito ja é meu AP tbm