25.8.07

O Altruísmo Falido

- Olha moço, o cartão tá dando inválido...
- Putz...qual o problema com meu cartão? É só aqui que ele dá erro! Em todo lugar funciona, menos aqui!
- Quer passar ele ali na frente? Às vezes dá certo...

Sem escolha, dirijo-me a um caixa adiante. Nova tentativa, nova atendente.

- Desculpa, moço, parece que tá sem saldo.
- Caraaaaamba, vai o cartão de débito mesmo então, mas eu não compro mais nesse supermercado! Toda vez isso. É brincadeira?!

Quem lê o diálogo acima poderia pensar que eu estava esbravejando e soltando fumaça pelas orelhas. Mas eu falava tudo isso com um tentativa forçada de parecer bravo e indignado, meio sem sucesso, visto a cara de "foda-se!" das caixas. Por mim tanto faz qual cartão usem, eu só não queria dar uma de idiota.

Bem, de qualquer jeito, não volto lá. É mais caro que o outro supermercado.

Indo para casa me sentindo ridículo por carregar duas sacolas em cada mão - "preciso de um carro!" - passo em frente a uma Igreja e vejo uma cena inusitada: no estacionamento improvisado onde deveria ser uma calçada, do outro lado da rua, um carro estava parado com as duas portas dianteiras abertas. Do lado do motorista, demorei a reconhecer que aquele volume compacto ao chão era um homem robusto ajoelhado. Estava escuro.

Passei desapercebido por aquilo. Sem que meu cérebro percebesse que realmente havia um homem ajoelhado e de cabeça baixa ao lado do carro. Mas então vieram gritos e meu cérebro despertou dos devaneios em que se encontrava:

- AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

Estanquei, surpreso, olhando a cena. O homem estava definitivamente tentando fazer algo impossível e nada saudável: tossir, chorar, engasgar, respirar e tentar vomitar tudo ao mesmo tempo. Os gritos eram realmente desesperadores.

À frente dele, uma mulher, impassível, assistia ao ocorrido como se estivesse vendo um cachorro cagar na grama. Carregava um celular na mão. Talvez ligasse para uma ambulância. Talvez para a melhor amiga para contar que estava vendo um gordo passando mal. Jamais saberei.

O homem abruptamente se levantou, cambaleou rapidamente e foi prostar-se para mais perto da Igreja, agarrando-se à grade que separava a morada de Deus do estacionamento improvisado. Gritava mais alto agora e sofria como se estivesse sendo queimado vivo. Do outro lado da rua, eu olhava tudo com os olhos arregalados, parado e ainda segurando as sacolas ridículas, sem mais me importar com a falta de discrição. Era aparentemente o único. Não havia mais ninguém andando pelas calçadas e os carros passavam velozmente pela avenida, sem perceber o que acontecia.

Subitamente, ocorreu-me que deveria tomar uma decisão: atravessar a avenida e perguntar se eles precisavam de ajuda (o moribundo e a mulher que continuava absorta com o celular) ou virar-me para frente e continuar andando, fingindo que nada acontecera. Ser altruísta ou ser egoísta?

Não sou paulistano nem curitibano, então a vontade de ajudar foi maior, porém...

"Pare já aí! Já não basta os mil problemas que você está envolvido, moradia, estágio, tédio, sua mãe deprimida, não vá arranjar mais um, deixa de ser herói!".

Parei. Engoli um seco. Desviei o olhar da cena e olhei dos dois lados da avenida, ainda ninguém aparecera. Mas pelo menos agora a mulher fora acudir o homem robusto, que sumira da minha vista, oculto pelo carro.

Resignado e impotente, virei-me e fui para casa, mastigando um post para blog. Olhando às vezes para trás, ainda surpreso.

8 comentários:

Tyler Bazz disse...

E se ele fosse um milhonário e te pagasse uma BOA recompensa por ajudá-lo???

Pobre e burro vc, Banger. :D

Maila disse...

concordo com o amigo alí
tsctsc
tomara que ele ganhe na mega sena e seja um homem generoso
dksaokdspo[kp[aodkspa[odksp[ad


;*

Victor the Stranger disse...

Ele tinha um carro popular! Não era milionário.

karen disse...

esses dias, minha mãe e eu ajudamos um cara que tava sentado na calçada do Shopping Ibirapuera.
me senti mto bem depois disso. :)

Tyler Bazz disse...

miLHonário foi a melhor coisa que eu já escrevi... aUHAuhaUHAAUHAuhaUHauhA

Ele tinha um carro popular? Grande coisa... o cara da novela é miLIonário (agora sim) e trabalha de jardineiro para enganar todo mundo, o sacana... :D

Vc ia ficar rico cara, perdeu a chance.

Fadinha... disse...

eu fico imaginando vc tentando fazer um barraco.. com essa cara de "bom moço" haaha

;***

maila disse...

comentar lá no meu, se não, paro de postar, de novo .lala
dsopakdp[oaskdop[sakdpo[askdp[sad

Ariadne_Celinne disse...

Caixa de supermercado nunca tá nem aí mesmo... e que dia né? eu não ajudaria.. tenho medo de falar com estranhos no meio da rua):/
bjss