10.7.07

Meninas que me amaram, sabe-se lá porque

Tempos atrás fui levado a recordar minha infância enquanto assistia, junto de minha amiga Thais, a uma quadrilha dançar numa quermesse de Igreja aqui em Londrina - por falar nisso, faz uns 5 anos ou mais que não ponho os pés numa Igreja.

Enfim, voltando à lembrança: enquanto admirava as crianças executarem desajeitadamente os passos da quadrilha, lembrei de quando eu tinha uns 5 ou 6 anos e estava na pré-escola, o prézinho.

Havia uma menina, a Bruna, loirinha, magrinha, cara de anjo (ou nem tanto). Ela era a menina mais cobiçada pelos meninos da turma. Não que ela fosse bonita, não imagino que pentelhos de 5 anos tenham senso de estética (e eu duvido muito que tenham adquirido agora), mas, sabe-se lá porquê, os pirralhos e eu adorávamos a loirinha com cara de paquita.

A disputa por ela era tão acirrada quanto a que os adultos realizam por mulheres bonitas hoje em dia, mas ninguém puxava o tapete de ninguém, éramos inocentes e jogávamos pelas regras (o mundo podia ser meio criança...).

O ápice dessa batalha pela mão da princesa Bruna chegou no Dia dos Namorados. Eu não sei por que cargas d´água crianças se presenteiam no Dia dos Namorados, mas vejamos, anos 90...a Xuxa já tinha feito vários estragos na juventude, era irreversível.

Tive a ajuda de minha mãe e minhas 2 irmãs para presentear a Bruna. Como elas são muito românticas (ah descobri porque eu sou assim então!), me fizeram dar uma flor a ela. Era uma rosa. Uma singular e singela rosa bonitinha, daquelas que cativam qualquer mulher respeitável.

Com vergonha, entreguei o presente a ela, sob o olhar atento de todos os concorrentes e os olhares invejosos e ciumentos das outras meninas. Mas...seria pretensão demais pensar que só eu entregaria presentes para a Bruna.

Havia um menino metido, loiro, fortinho, odioso (Jesus, meu pré é um prato cheio para psicólogos) que dera um anel a Bruna! Ora! Como competir com um anel? Eu com certeza fora massacrado naquela luta. O cara era rico e eu só um pobre apaixonado.

Mas "os últimos serão os primeiros", diz o ditado popular, e a resposta dos meus esforços veio algum tempo depois, na formação dos casais que iam dançar na festa junina. Adivinhem com quem a princesa Bruna quis dançar? Ahá! Comigo, lógico. Ela quis ser o meu parzinho.

Enfim, dancei com a Bruna, a loirinha era minha, eu era o pequeno macho dominador do bando. E ela acabou sendo minha namoradinha. Isso só serve para mostrar que leoninos são burros, é...

De qualquer maneira, essa história não é feliz. Ela não serve para mostrar que eu consegui conquistar - ainda que não tivesse nenhuma intenção clara quanto a isso - a loirinha. Porém, vem mostrar como fui cego e como, às vezes, continuo sendo.

Alheia àquele movimento todo de conquista pela loira, estava uma morena, bem branquinha (meu tipo favorito hoje em dia...droga, mais matéria para uma terapia!), a Luana, uma menina simples, que era diferente das outras meninas, ela não era fresca e boba, ela gostava de brincar com os meninos, era travessa (ela vivia chegando com hematomas nas pernas de tanto aprontar...nossa, ou será que ela sofria violência dentro de casa?! MEU DEUS!) e...gostava muito de mim.

Minha mãe a amava, ficava indignada que eu gostasse da loirinha feia super cobiçada e deixasse de lado a morena bonitinha super gente boa (acho que aqui a terapia ia ser para minha mãe hehe). Eu achava tudo isso uma besteira. A Luana para mim era feia e desinteressante. NAQUELA IDADE. Pois agora vejo que eu devia ter dado em cima dela.

Ora, fiquei caído pela loirinha pois era a presa favorita do bando, e mal dei conta da moreninha simpática que vivia querendo estar ao meu lado. A bomba devastadora que causou a culpa veio anos mais tarde:

- Sabe quem vi hoje, filho, no calçadão? A Luana, lembra? Do prézinho, que gostava de você, nossa, ela tá super linda!

BURRO, BURRO, BURRO!

C´est la vie. O que eu não daria hoje para ter aquelas histórias de cinema. Tipo conhecer uma menina super bacana, passar o dia com ela, me apaixonar e descobrir que ela é a Luana! Haha. Tá, tá, impossível.

Luana se por acaso você estiver lendo isso, entra em contato comigo! (não custa tentar).

Agora vê se abre os olhos, seu demente!

6 comentários:

maila. só maila. disse...

hahahhaa
adooooooooreiiiii!
;D
dskdopskd[poskdp[s
tbm queria um filmezinho assim, pena que jah nos conheçemos, victor
sodks[apokdsp[oakd[spaodk[posakdps
dsakdopsakd[aopskd[sopakdp[osad


***:
e eu vivia com hematomas nas pernas, e nem era tao travessa assim (e nao apanhava em casa, bem, as vezes neh?!)
dskpod[k[sapodk[oaspkdp[osadp

Tyler Bazz disse...

1 - Sabe-se lá porque elas gostaram de você MESMO! =DD

2 - Pára de usar o pretérito mais que perfeito.. aUHAhuaUHAuhA ;PP

3 - Vc é meio pedófilo? Não é? :DD


o/

Lígia disse...

Então né, acho que se vc tivesse se emparelhado com a Luana no começo da vida, talvez tivesse acabado antes dela ficar realmente bonita..E quem disse que ela é legal, e não uma nojenta metidona?!
Bom..isso foi uma tentativa de consolo..i.i se não serviu, reza, seu herege..! 5 anos sem pisar numa Igreja..que feio..e cruza os dedos pra dar uma reforçada, quem sabe ela não entra em contato.

Mandi disse...

Hheuheaueeueahu

Já aconteceu não é?

Oq resta então é aprender com o erro...já que não da mais pra voltar no tempo...

^^

Fadinha... disse...

ahhh
foi lindo as criancinhas dançando na igreja!
AHuHAuHAuHAuHAuHAuHAU

viu so meu...
varias pessoas precisam de terapia...
meu curso n eh taooo sem futuro assim
=p

hehehe

bjao!!

Ju disse...

Ah essas histórias de infância..
Mas hein.. não se preocupa porque crianças são bobas mesmo. Depois vão crescendo e dando cabeçadas na vida pra aprender.. ou não. =P

Aliás, concordo com a fadinha aí em cima.. acho que todo mundo devia fazer terapia i.i