25.3.07

A borboleta é minha insígnia

Não me recordo bem das palavras exatas, mas posso dizer assim de cabeça o que minha professora de Direito Constitucional disse na primeira aula dela. Foi algo como: "daqui a seis meses vocês verão como amadureceram".

Com certeza tal dito não tem nada a ver com a Teoria Geral do Estado e tampouco com a nossa Constituição, mas ainda assim é um tipo de aviso e lição de vida.

Sinto-me assim, percorrendo uma estrada sem volta, que me guia definitivamente a um lugar chamado "vida". Ou talvez eu esteja nessa trilha desde que saí do útero de minha mãe, quem sabe?

Só me resta ficar impressionado com os novos conhecimentos que venho adquirindo, e ficar feliz com os novos laços que tenho conquistado.

Quão maravilhoso é poder viver coisas novas! Certamente que fico feliz quando, em meio a dezenas de pessoas que jogam truco, eu aprendo o jogo e me insiro em tal grupo. Ou quando saio com pessoas que mal conheço e me divirto com elas, mostrando uma espantosa interatividade. Ou ainda quando ensino alguém a cozinhar um simples omelete, da mesma maneira quando cozinho pela primeira vez, quando me viro sozinho pela primeira vez. É um mundo novo e infinito, como tenho dito por aí.

E nessa interação e enlaçamento, vou desvelando o caminho que leva ao profetizado amadurecimento dito pela professora. Há quem negue? Sim. Haverão aqueles que ousarão dizer que não enxergam nada de novo em mim. Mas orgulho-me de estar convicto sobre a minha "metamorfose ambulante". Sempre para mais e melhor. Como bem deve ser a vida em seu caminho dialético.

Aliás, está aí toda a razão da minha vida: ser algo diferente sempre que possível. Mudança. Metamorfose. Transformação. Evolução.

É como dizem: as pessoas mudam. E leva tempo para percebermos isso. Felizmente tenho toda a base e a sustentação para dar asas ao meu processo de aprendizagem e amadurecimento.

Então, para mim mesmo eu digo: até daqui a alguns meses ou anos, velho eu.

3 comentários:

Eilahhh disse...

Amadurecimentos repentinos acontecem em todas as fases da vida, eu acredito que o mais importante acontece na velhice, é o último, o mais abstrato e real!

Boa sorte na estrada =]


=*

Anônimo disse...

querido!
grandes momentos
grandes acontecimentos
...mudanças...


...

sem palavras, os sentimentos, por mais confuso q sejam, dizem (embora naum compreedamos) td!

naum me ensinou o omelete!

...

Griet disse...

Me ensina a fazer omelete sem quebrar que eu te ensino mais sobre as borboletas...

bjo anjinho.