20.2.07

Saudades de um ex-caipira


Eu não nasci em Rio Preto. Nasci na cidade-irmã dessa: Mirassol. Mirassol é algo como a Guarulhos de Rio Preto. Mas não, nunca morei lá. Sabe-se lá porquê minha mãe foi para Mirassol e me teve numa Santa Casa e dias depois voltou para casa, em RP.

Não saí do hospital logo depois de nascer, fiquei muito tempo doente por lá, mas fui um bebê saudável: nasci com 3,5kg e 50cm. Bem, um certo dia minha mãe me pegou e saiu do hospital sem maiores explicações, algo como uma fuga. Eu sarei no outro dia, já em casa.

Nunca morei em outro lugar senão Rio Preto. É uma cidade de aproximadamente 450 mil habitantes de economia diversificada, com ênfase no setor terciário. Tem um IDH e um nível de vida ótimo. Rio Preto é o destino de muita gente cansada de São Paulo e também de muitos nordestinos que vêm atrás de oportunidades, uma vez que a cidade é uma das beneficiárias da desindustrialização da metrópole paulistana e do crescimento das plantações de cana-de-açúcar.

Em Rio Preto me mudei 7 vezes. A maioria das vezes quando bebê. Meu pai morou comigo até meus 6 anos, divorciando-se da minha mãe após isso. Não reprovei isso. Acho que nem sabia o que era isso.

Quando criança, amei essa cidade. Era tudo o que eu precisava. Estava de bom tamanho. Mas não é assim para os adolescentes, que têm o espírito expansivo. Os adolescentes odeiam Rio Preto.

Eu quis me expandir, e até queria contar toda a minha história aqui da vida que tive nessa cidade do interior paulista. Mas não sou bom com auto-biografias.

Mas só agora percebo que construí toda a minha vida nessa cidade. E que isso foi, entre subidas e descidas, bom. Eu sou o que sou porque habitei entre os prédios, as casas, as árvores e o asfalto dessa cidade. Ela foi o cenário do meu medíocre filme chamado vida.

Eu vou sentir saudades, Rio Preto.


3 comentários:

ana.liberty disse...

Entre fotos, cartas, diários e lembranças um dia terei coragem de unir as pontas entre o passado e o presente e escreverei minha auto-biografia... Ter mudado de Santa Bárbara pra cá foi a coisa mais dolorosa pra mim, acho que já estava me preparando pra não criar raizes em lugar nenhum... Ir embora daqui será o próximo passo. Me prendo as pessoas, e essas eu sei que posso ir pra qualquer lugar do mundo que as marcas deixadas nelas nunca vão se apagar. Encare sua mudança não como uma perda, mas como uma somatória, voce não vai perder amigos, vai acumular novos. O que você construiu aqui não vai desaparecer. Muitos irão sentir sua falta, e quando você voltar verá quem realmente é digno da sua amizade. Tenha certeza de que você pode passar 4 anos longe de seus amigos, mas quando reencontrá-los será como se nunca tivessem se distanciado. Falo por experiência própria. E independente de qualquer coisa eu desejo do fundo do coração que você seja muito feliz em sua nova vida =***

icelito disse...

É... a gente sente falta daquilo tudo q se adapta...
mas logo vem o novo e toma seu lugar
UAH... O NOVO!
VIVA O NOVO!



... nova schin? o.O
ou seja... cerveja!

( ! )

;* benga ^^
|cE

Eilahhh disse...

Todos irão um dia...