27.2.07

First Impressions of Earth

Não haveria outra recepção para mim numa cidade chamada Londrina do que um dia chuvoso...

E lá vim. Mais uma vez o trajeto Rio Preto-Londrina, mais 5 horas trancafiado em um meio de transporte. Cá hospedo-me num hotel. A mãe deprimida exala tristeza principalmente por seus olhos. E entristece também o filho.

Apenas três dias e me parece três séculos.

A recepção muda do domingo chuvoso para o alvoroço e o calor de uma segunda ensolarada e com um novo mundo a desvelar-se perante mim. O local está lá, lotado, cheio de gente igual a mim. E cheio de gente que superou a tristeza que sinto agora.

A recepção inclui tinta, farinha, esmalte na unha, um pé descalço, caminhada na terra ainda úmida e lamacenta da chuva de outrora. Um ritual estúpido e humilhante, porém não encontro dificuldade em estampar um sorriso em meus lábios para fingir simpatia.

A "festa" ainda inclui uma sala de aula fechada, onde num canto estão as veteranas e do outro os calouros. A decisão do "Mister Tanquinho" obriga eu e meus colegas a dançar músicas de gosto duvidoso. Após isso, há um leilão. Centavos pelos fisicamente desajustados. Cinco reais pelo mais estereotipado. Um real por mim.

A cervejada em pleno horário de almoço duma segunda-feira visa à confraternização entre calouros e veteranos. Visa também ao embebedamento daqueles. Uma palavra aqui, um laço ali, e vou fazendo paulatinamente e, vindo de mim, timidamente, minhas amizades.

Vou embora da festa. A mãe consternada ainda espera no hotel. De vida vivida e lutada na marra, a mulher já havia ajeitado todos os detalhes para a vida futura de sua cria. E assim me mudo definitivamente para o ap 804, edifício não-sei-o-quê Belvedere na Av. Voluntários da Pátria, n 840, onde residem mais dois rapazes. Ao ir embora ela mais uma vez chora. Eu também quero chorar na hora, mas não choro. Digo a ela que sou o que sou justamente por ela existir, e outras coisas que a confortem. De qualquer maneira, ela se vai...

O meu quarto constitui-se de uma cama e um grande armário. O espaço vazio e simples talvez seja uma das coisas que mais me fazem refletir. Negativamente.

Meus companheiros de república são quietos e reservados. Sinto-me sozinho. Há um passarinho também, acho que é uma calopsita, de nome Bibi. Tem bochechas tal qual um Pierrot e assobia o dia inteiro.

A terça traz consigo a missão de eu acordar cedo e descobrir os caminhos que devo fazer de ônibus. Talvez pela inexperiência eu tenha chegado atrasado na aula de Lógica. Quatro aulas por dia, iniciando-se o dia às 8:20 e terminando às 11:55.

Vou ao Restaurante Universitário. A fila enorme assusta. Percebo que esqueci os documentos necessários para pagar mais barato. Vou a uma lanchonete como alternativa. Dois salgados e um refrigerante. O segundo salgado tem a massa crua... sinto-me desanimado para reclamar e jogo-o fora, no lixo.

Mais ônibus e assim percebo que silenciosamente, com muito óleo para não ranger e me alarmar, uma engrenagem sinistra instala-se na minha vida. Uma engrenagem que fará rodar uma rotina. Uma rotina que dar-me-á uma vida.

Quanto às aulas, achei-as interessantes. Lógica, Ética e Introdução ao Estudo de Direito - Criminalística. A primeira pareceu-me massante, a segunda trouxe reflexões profundas e alguma dispersão e a terceira frio na barriga. O motivo disto eu expresso outra hora, pois sinto sono. E saudade.

Bem, relatei, mas não disse exatamente minha impressão. Esta é...uma sensação de que estou pisando num chão infinito. Um mundo infinito.

Quem quiser me enviar carta, o endereço está dado. Quem quiser me ligar, estou no 43 33286970.

Acho que é só, até!

3 comentários:

ana.liberty disse...

Lendo seu post eu me senti por alguns segundos no seu lugar... É dificil imaginar, ja tentei varias vezes sentir isso pra ver se depois qndo eu viver dói menos... Mas a dor é ineitável sempre quando há mudanças... Se eu disser que tudo isso passa não vai ser consolador mas não deixa de ser verdade. Um dia passarei por isso, e talvez esse dia entenda o que vc sente, ou não... Pessoas diferentes lidam de diferentes formas com os problemas. Acho que dei um grande passo, e to aprendendo a superar. Desejo o msmo pra você, de coração! =*** Cuide-se!

ana.liberty disse...

era pra ser Nesse dia... enfim... acho q você entendeu x]

Eilahhh disse...

Bom... desejo sorte...

O começo as vezes é amargo, mas isso não precisa ser regra pro final =]

=*